Número total de visualizações de página

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Em mim vês a estação em que se inclina

Em mim vês a estação em que se inclina

''Em mim vês a estação que se inclina
a folhagem sem cor, já pouca, em ramos,
lá onde os frios claustros são ruína
e os pássaros tardios escutamos.
Em mim vês lusco-fusco de tal dia,
quando a oeste o sol se queda mudo
e a noite a pouco e pouco o abrevia,
segundo ser da morte a selar tudo.
Em mim vês que esse fogo bruxuleia,
cinza da juventude que caiu,
como o leito de morte em que se alheia,
onde o consome o que antes o nutriu.
Isto vês, para amar mais te fazer
amar bem o que em breve vais perder.''

(William Shakespeare, tradução de Vasco Graça Moura)


Sem comentários:

Enviar um comentário