Número total de visualizações de página

sábado, 29 de junho de 2013

No meio de nós

No meio de nós

No meio de nós há muros e barreiras
Palavras artificiais e gestos inúteis

Circunspectos olhares e troça
Paredes de cal que nos separarm,
Grinaldas de flores e cactos verdejantes

Sorrisos cúmplices e complacentes,
Mãos enlameadas que se tocam
Na envolvente penumbra da noite

Silêncios que perduram no tempo,
Desfaçatez iníqua que se infiltra
Pelas vidraças enquanto o vento sopra

Entre nós há destroços que se movem,
Hoje aqui e amanhã ali...

E não se esquece a pérfida monotonia
Que nos abate, implacavelmente
Nem o latir dos velhos cães
Nas ruas desertas e frias.

Resta um só segredo por contar,
Uma frágil narrativa que nos define.

N. Afonso


quarta-feira, 12 de junho de 2013

Yang e Yin


 Yang e Yin

Sou o Sol radiante que anuncia o amanhecer,
Tu és a lua sombria na escuridão
Sou o fogo vermelho que te consome,
Tu a água fresca que tudo lava.

Sou o masculino imóvel que se move,
Aparente contradição sem o ser.
Tu és o feminino volátil que se abre.

Sou o dia claro que te envolve,
És a noite escura que assusta e atrai.
Sou o branco, tu és o negro.

Eu sou o Yang, tu és o Yin,
Os opostos que se completam.

N. Afonso