Número total de visualizações de página

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Inominável

Inominável

Sei que rostos se escondem
Por detrás das máscaras
Que mãos tocam
As cordas invisíveis

Qual a melodia que soa
No final do dia
Os segredos ditos
No escuro do silêncio

Que homens se erguem
No meio da tempestade
Qual a voz que acalma
A criança que chora
Quando o luar brilha
Na noite sem fim...

Qual o código secreto
Que abre o cofre

E os nomes inscritos
No livro da vida
Os rios que nascem
Em montanhas ocultas

Quais os seios que amamentam
A sede de conhecimento
As sementes que germinam
Nos mais férteis campos

E qual a porta que guarda
O templo de luz...

N. Afonso, 27.11.2012


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Cardos ao Sol

Cardos ao Sol

Brilha alto o Sol
No seu esplendor
O dia é fugaz para quem vive a correr
Mas longo para quem é paciente

A estrada é estreita
Para o viajante
Os passos lentos em silêncio
A viagem é árdua e penosa

O tempo gira
Em teu redor
Essa espiral sem fim

Crescem flores no precipício
E espinhos nos verdes cardos

Um manto de névoa
Cobre o topo
De uma montanha
De incertezas

Existe beleza numa
Planície estéril
E algum orgulho
No abismo criador?

N. Afonso, 21.11.2012

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Selo supremo

Selo supremo

Derretem os gelos
Os medos e ilusões
Congela a angústia
Depois morre a inércia

Das cinzas da dor
Renasce a força
Um rochedo da vontade

Há um sopro que apaga
As velas frágeis da mentira
Vê como se desfazem
As torres altas da iniquidade

Despedaçam-se ídolos e ideais
Com pés de barro fabricados
Também eles apodreceram
Repletos do bolor da falsidade

Tudo cai à tua passagem
Homens, muros, poderes, ideias
Selo ímpar da verdade!

N. Afonso, 15.11.2012