Número total de visualizações de página

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Orwell e a falsificação da História







'' Sei que se tornou moda dizer que a maior parte da História registada é mentira. Estou pronto a acreditar que a História, na sua maior parte, se apresenta inexacta e tendenciosa; mas aquilo que é peculiar ao nosso tempo é o abandono da ideia de que a História poderia ser escrita com verdade. No passado, as pessoas mentiam deliberadamente, ou coloriam inconscientemente aquilo que escreviam, ou lutavam pela verdade com a certeza de cometerem bastantes erros; mas faziam tudo isto sabendo que os factos existiam e que era possível descobri-los. Na prática, havia sempre uma massa factual com a qual quase todas as pessoas concordavam. É justamente esta base comum de acordo, da qual decorre que todos os seres humanos são uma única espécie animal, que o totalitarismo destrói. O desígnio resultante desta forma de pensar é um mundo em que o Chefe, ou uma qualquer súcia governante, supervisa não apenas o futuro mas também o passado. Esta prospectiva assusta-me muito mais do que as bombas- e depois das nossas experiências dos últimos anos, não se trata aqui de uma afirmação gratuita.''
(George Orwell, 1942)

terça-feira, 15 de outubro de 2013

O Lago





O Lago

'' Tive eu na mocidade ocasião
De achar do mundo vasto um lugar
O qual eu não podia mais amar...
Porquanto me encantou a solidão
Dum lago agreste, por negros rochedos
Circundado, e por altos arvoredos.

Mas quando a Noite o seu sudário
Deitava em seu lugar, e em tudo à volta,
E o vento misterioso andava à solta...
E o vento um canto murmurava...
Ah...era então que eu despertava
Para o terror do lago solitário.

Contudo, tal terror não me assustava,
Mas com tremores me deleitava...
Um sentimento tal cujo mistério
Excede mil jazigos de minério...
E mesmo o teu Amor... que eu cobiçava.

No veneno da onda havia dolo,
E em seu vórtice um esquife apropriado
A quem aí buscava o consolo
De um espírito, erguendo transviado,
Em seu imaginário isolado,
Um Éden no sombrio e torvo lago.''

(Edgar Allan Poe, ''O Lago'', in ''Obra poética completa'', Tinta-da-China, Lisboa, MMIX)



sexta-feira, 11 de outubro de 2013

O Silêncio Branco






'' A natureza serve-se de inúmeros artifícios para inculcar no homem a noção da sua finitude- o fluir incessante das marés, a fúria da tormenta, o abalo do terramoto, o longo retombar da trovoada- mas de todos eles o mais temível, o mais aterrador, é a impassibilidade do Silêncio Branco. Todo o movimento cessa, o ar esvai-se, o céu torna-se de chumbo; o mais pequeno sussurro soa a sacrilégio e um homem assusta-se e intimida-se com o som da sua própria voz. Único átomo de vida a deslocar-se na vastidão espectral de um mundo morto, treme perante a sua própria audácia, toma consciência que a sua existência pouco mais vale que a de um verme. Surgem-lhe então pensamentos estranhos, inopinados, e parece querer revelar-se-lhe o mistério de todas as coisas. Apodera-se dele o temor da morte, de Deus, do universo- a esperança na Ressureição e na Vida, o anseio de imortalidade, a porfia vã da essência aprisionada- e é então, e só então, que o homem caminha apenas na companhia de Deus. '' (Jack London, ''O Filho do lobo'', Antígona, Lisboa, 2001)