Número total de visualizações de página

sábado, 21 de setembro de 2013

Desafio



Desafio

'' Tenho uma vaga lembrança
De uma história que se conta
Em certa velha lenda espanhola
Ou numa crónica antiga

Foi quando o bravo rei Sancho
Morreu às portas de Zamora
À qual o seu grande exército  montava cerco
Acampado na planície.

Don Diego de Ordenez
Apresentou-se sozinho diante de todos
E gritou bem alto o seu desafio
Aos que defendiam as muralhas da cidade.
A todos os moradores de Zamora,
Aos nascidos e aos que estavam para nascer,
Desafiou como traidores
Em tom desdenhoso e altivo.

Insultou os vivos nas suas casas
E os mortos nas suas campas,
As água dos rios
E o vinho, o azeite e o pão.

Há um exército bem mais poderoso
Que nos assalta de todos os lados
Um exército infindo e faminto
Que luta em todas as portas da vida.
Os milhões que a pobreza oprime
Que vêm disputar o nosso pão e vinho
E nos acusam de traição
Nós, os que estamos vivos, e os mortos também.

E sempre que me sento à mesa do banquete
Onde a festa e as canções não têm fim
No meio da alegria e da música
Ouço os seus gritos terríveis,

Vejo os seus rostos tristes e descarnados
Fitando o salão iluminado
E as mãos exangues e estendidas
Para apanhar as migalhas que caem.

Dentro de casa há luz e abundância,
No ar pairam bons odores,
Mas lá fora, reinam o frio e a noite,
A fome e o desespero.

E no acampamento faminto
Ao vento, ao frio e à chuva,
Cristo, o grande Senhor dos Exércitos,
Jaz morto na planície. ''

H.W. Longfellow

sábado, 7 de setembro de 2013

América


'' A América é a terra da alegria, como a Alemanha é a terra da metafísica e a França a terra da fornicação. Aqui, a bufonaria não conhece descanso. Os Estados Unidos são, incomparavelmente, o maior espectáculo do mundo. Um espectáculo que exclui todo o tipo de palhaçadas que rapidamente me entediam- o cerimonial monárquico, o malabarismo fastidioso da haute politique ou a atitude séria perante a política, por exemplo-, pondo antes a ênfase no tipo de situações que me divertem incessantemente: as discussões brejeiras dos demagogos, as deliciosas e engenhosas manigâncias dos mestres da pulhice, a perseguição a bruxas e hereges, as tentativas desesperadas dos homens inferiores para treparem até ao Céu. Temos entre nós, em constante actividade, bobos que se destacam dos de qualquer outro grande país; não apenas vinte ou trinta, mas verdadeiras manadas deles. Aquilo que noutro país cristão qualquer está irremediavelmente votado a um tédio incurável- coisas que, pela sua natureza, parecem desprovidas de toda a piada-, é aqui elevado a um patamar de bufonaria que nos faz rir a bandeiras despregadas. ''

(H.L.Mencken, ''Os Americanos'', Antígona, 2005)